quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Dicas para uma Voz Saudável - Campanha Vida Saudável, Voz Melhor





1.     Própolis e gengibre fazem bem para a voz.

Própolis e gengibre têm efeito anestésico, mascarando a dor na garganta e dando uma sensação de alívio. Durante esta sensação, há redução da sensibilidade e não sentimos o esforço que estamos fazendo ao falar. Dessa forma, acabamos cometendo mais abusos vocais e piorando a rouquidão. Esses produtos também alteram a viscosidade e a quantidade de saliva, podendo dificultar a articulação dos sons da fala.





2.     Mel, chá e gargarejo de folha de romã fazem bem para a voz.


Não há comprovação científica de que mel, chá e folha de romã tragam benefícios para a voz.





3.     Fazer gargarejo com limão e vinagre melhora a voz.


Tanto o limão quanto o vinagre irritam a mucosa do trato vocal (caminho percorrido pela voz) e, portanto, não devem ser usados para fazer gargarejo. 





4.     Beber água faz bem para a voz.


Um corpo permanentemente hidratado significa pregas vocais hidratadas e com melhor flexibilidade e vibração.  É indicado beber em média dois litros (8 a 10 copos) de água ao longo dia.




 
5.      A ingestão de bebidas alcoólicas faz mal para a voz.
A ingestão de bebidas alcoólicas causa irritação em todo o trato vocal. Uma pequena dose de bebida alcoólica provoca, aparentemente, uma sensação de melhora da voz em decorrência da anestesia da região da faringe. Como há a redução da sensibilidade, não percebemos os abusos vocais que são cometidos.

 
     6.     Fumar prejudica a voz.

A fumaça agride todo o sistema respiratório, trato vocal e principalmente as pregas vocais, o que pode levar a uma irritação da mucosa, edema em pregas vocais e ao aparecimento de pigarro e de tosse em decorrência do aumento de secreção. Além disso, o cigarro é altamente nocivo à saúde.





7.     Tossir ou pigarrear “limpa” as pregas vocais.


A prática constante de tossir ou pigarrear pode causar lesões nas pregas vocais. Como reação ao atrito constante e buscando se protegerem do impacto, há um aumento da produção de muco na região das pregas vocais, o que atrapalha a emissão vocal e faz com que o indivíduo tenha vontade de pigarrear ou tossir novamente, tornando-se um ciclo vicioso. Para reduzir a produção de muco e assim eliminar a vontade de pigarrear ou tossir, é recomendada a ingestão de muito líquido e a inalação com vapor d’água para lubrificar as secreções. Engolir a saliva com força ou tomar vários goles de água também é uma boa estratégia para evitar o ato de pigarrear ou tossir.


 
8.     Comer maçã melhora a voz.


A maçã tem propriedade adstringente e auxilia na limpeza da boca e faringe. Mastigá-la exercita toda a musculatura facial e relaxa a musculatura da mandíbula, auxiliando na melhora da articulação. No entanto, ingerir este alimento não provoca melhora direta da qualidade vocal e seu consumo excessivo pode estimular o refluxo gastroesofágico.




9.     Bebida gelada e sorvete fazem mal para a voz.

A maior parte das pessoas não sofre nenhum impacto ao ingerir bebidas geladas e/ou sorvete. Algumas pessoas têm mais sensibilidade às alterações de temperatura e, portanto, devem evitar o choque térmico.  Se você não sente nenhum problema com alimentos e bebidas frias, pode ingeri-los sem preocupação. Os sorvetes que são derivados do leite aumentam a produção de secreção e devem ser evitados caso você necessite usar muito a voz após o consumo.


10.    Dormir bem melhora a voz.

Ao dormir recarregamos as energias e a voz também depende dessa “bateria” para funcionar com mais potência. Quando acordamos a voz está um pouco diferente, geralmente, mais fraca, mais grave e a fala mais lenta. Após 15 a 45 minutos, a voz já deve estar em seu padrão habitual. Se temos uma noite de sono inadequada, a voz pela manhã fica mais “pesada”, grave e até mesmo rouca, demorando mais para retornar ao seu padrão habitual.


 
11.    As roupas podem atrapalhar a qualidade vocal.

Roupas apertadas na região do pescoço e do abdome podem dificultar o movimento respiratório e restringir a movimentação muscular das estruturas, forçando o mecanismo da produção vocal. Saltos muito altos também podem induzir uma postura corporal mais tensa e, de modo indireto, tensão na produção da voz.






 
12.    A voz não envelhece.
Assim como todos os tecidos do corpo, a mucosa das pregas vocais também envelhece. Essas modificações ocorrem com a idade e são mais evidentes a partir dos 60 anos, com grande variação de pessoa para pessoa. A voz pode ficar mais fraca, mais trêmula, mais grossa nas mulheres e mais fina nos homens. Sendo assim, é importante a realização de atividades físicas, uma boa alimentação e exercícios vocais.



 
13. A exposição ao ar condicionado prejudica a vibração das pregas vocais.

O ar condicionado não prejudica a vibração das pregas vocais. Em geral, o ar condicionado resseca a mucosa do trato vocal, porque diminui a umidade do ar. Há pessoas que sentem mais os efeitos que outras, o que depende das características individuais de cada organismo, assim como do tempo de exposição. É recomendado ingerir bastante água e respirar exclusivamente pelo nariz.



14.    Sprays e pastilhas melhoram a voz.

Cuidado com a utilização de sprays e pastilhas sem orientação médica! Assim como o álcool, eles têm efeito anestésico, reduzindo a sensibilidade e mascarando a dor e a sensação de esforço vocal, o que permite que abusos vocais sejam cometidos sem serem percebidos.




15.    Exercício físico provoca melhora da voz.

A prática de exercícios físicos contribui para a saúde geral. Algumas modalidades tem movimentação intensa dos membros superiores (boxe, tênis, karatê, vôlei e musculação) e podem causar tensão muscular nas regiões do pescoço, ombros, tórax e costas, não sendo indicadas para quem utiliza a voz profissionalmente ou apresenta alguma alteração vocal. Para estes casos, as modalidades mais indicadas são: natação, caminhada, ginástica sem impacto, exercícios de alongamento e ioga. Mas fique atento! Praticar exercícios falando pode prejudicar a voz, porque durante o esforço físico ocorre um aumento na força do fechamento das pregas vocais.



16.    Alimentação mais adequada ajuda na saúde vocal.

A regularidade e o equilíbrio da alimentação ajudam na saúde como um todo e, consequentemente, na saúde vocal. Alimentos pesados e condimentados devem ser evitados, pois podem prejudicar a digestão, favorecer o refluxo gastroesofágico, provocar rouquidão e limitar a respiração necessária para o uso vocal.



17.    O chocolate faz mal para a voz.

O chocolate e outros derivados do leite (queijos, iogurtes, etc.) aumentam o muco do trato vocal, atrapalhando a vibração das pregas vocais. Portanto, devem ser evitados caso você necessite usar muito a voz após o consumo.
  



 
18.    A competição sonora prejudica a voz.


Com o ruído perdemos o controle da voz pela audição e, instintivamente para sermos entendidos, aumentamos o volume da voz e falamos com mais esforço.






19.    É normal a voz mudar durante o dia.

A voz está intimamente ligada a nossa personalidade e expressa sentimentos, desejos e emoções. Do mesmo modo que a tensão do nosso corpo varia durante o dia, a voz também varia acompanhando nosso estado físico e emocional.







20.    Devo sussurrar quando estou rouco para poupar a voz.

O sussurro em excesso pode prejudicar a laringe pela tensão necessária para bloquear o som natural da voz. Quando estamos sem voz o ideal é evitar falar e, se isso não for possível, procurar falar baixo abrindo bem a boca.





21.    A voz que eu ouço quando falo é diferente da minha voz em uma gravação.

Quando escutamos a nossa voz no dia-a-dia, recebemos informações por via aérea (som da voz pelo ar) e por via óssea (vibração dos ossos do corpo), o que torna o som mais grave. A voz que ouvimos em uma gravação ocorre somente pela via aérea e se aproxima mais de como os outros nos escutam.







22.    Mudanças bruscas de temperatura interferem na produção da voz.


As mudanças bruscas de temperatura - tanto do quente para o frio como do frio para o quente - causam uma alteração na vascularização e como defesa, as mucosas do trato vocal reagem ficando edemaciadas e aumentando a produção de muco.






23.    Problema no estômago interfere na qualidade da voz.



Algumas pessoas sentem que após as refeições a voz piora, aumenta o pigarro e há retorno de líquido do estômago para cima. Estas pessoas independentemente de terem azia ou queimação, podem sofrer da doença do refluxo gastroesofágico. Como a laringe não está preparada para receber os líquidos do estômago, ela pode ficar inflamada ou irritada, prejudicando a voz e provocando rouquidão. Algumas estratégias para evitar o refluxo são comer pequenas porções de alimentos ao longo do dia e não dormir logo após alimentar-se, mantendo um jejum de 3 horas antes de deitar. Caso o refluxo seja constante, é recomendado procurar orientação médica.




24.    Alergias, asma e bronquite podem causar rouquidão.



Toda e qualquer alteração das vias aéreas, dos pulmões ao nariz podem prejudicar a voz. A respiração está diretamente relacionada com a produção da voz, por isso é importante que o fluxo respiratório esteja livre e equilibrado. O ar que sai dos pulmões é o “combustível” (energia) responsável pela vibração das pregas vocais e produção da voz. Alergias nasais incham os tecidos do nariz e da garganta e podem exigir mais esforço para falar e controlar a instabilidade na voz. Asma e bronquite descontrolam a respiração e dificultam a coordenação da fala, assim como a projeção da voz no ambiente.


25.    O estresse pode prejudicar a voz.

Quando estamos passando por situações de estresse físico e/ou mental, temos a tendência de enrijecer a postura e aumentar a tensão muscular de várias regiões do corpo. Uma das regiões mais afetadas é a cervical e, consequentemente, a musculatura que está envolvida na produção da voz. O estresse pode tornar a emissão vocal mais tensa e menos resistente quando se tem que falar por muito tempo.






26.    Problema na tireóide pode afetar a voz.
A glândula tireóide fica sobre a laringe, logo abaixo da pele do pescoço. Os nervos que enviam estímulos para a movimentação das pregas vocais, a fim de controlar sua vibração e os ajustes de tom (fino ou grosso) passam por essa região. Nódulos na glândula tireóide podem comprimir os nervos e comprometer a atividade dos músculos responsáveis pela voz. O desequilíbrio dos hormônios produzidos por essa glândula também pode afetar a voz, deixando-a mais instável, rouca e grossa.



27.    Problema de audição pode prejudicar a voz.


Nós monitoramos a nossa voz por meio da audição. Ouvir bem é fundamental para controlar o tom, esforço e qualidade da voz. As pessoas com dificuldade de audição, ao falar, aumentam o volume da voz e muitas vezes, não percebem o esforço, apresentando maior risco de desenvolverem um problema vocal.






28.    A voz pode mudar no período pré-menstrual.
Algumas mulheres sofrem da chamada síndrome de tensão pré-menstrual (TPM), com oscilação de humor (maior irritabilidade e sensibilidade) e inchaço corporal. Destas, uma porcentagem percebe que a voz fica mais instável, grossa e menos limpa nesse período. Observe no próximo ciclo menstrual, se sua voz altera nos 3 dias que antecedem o fluxo e logo após o início da menstruação. Se isso ocorrer, redobre a atenção para o uso correto da voz e não deixe de fazer seus exercícios vocais.




Bibliografia

Behlau, M. & Pontes, P. – Avaliação e tratamento das disfonias. Editora Lovise. São Paulo, 1995.

Gonçalves, N. – A importância do falar bem:  a expressividade do corpo, da fala e da voz valorizando a comunicação verbal. Editora Lovise. São Paulo, 2000.

Pinho, S. M. R. – Manual de higiene vocal para profissionais da voz. Pró-Fono Departamento Editorial. Carapicuíba, 1997.

Pinho, S. M. R. – Fundamentos em Fonoaudiologia: tratando os distúrbios da voz. Editora Guanabara Koogan. Rio de Janeiro, 1998.

FONTE: Fonoaudiologia - Programa SP Educação com Saúde

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget